sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Eu nunca vou esquecer

Desde que comecei escrever neste blog, muitas transformações ocorreram em minha vida. A maior delas foi o fato de não ter mais crises de pânico, isto é, estou curada da Sindrome, através de um livro que eu li (não acreditas? outras pessoas foram curada com este mesmo livro).

Quando comecei escrever foi porque eu me sentia perdida, sozinha, desafiada, impotente com tantas recordações me sufocando, de um passado de abusos sexuais praticado por meus familiares. O blog foi o meu refugio, o meu amigo que me ouvia, e as pessoas que liam o que eu escrevia e comentavam foram para mim os meus melhores amigos, no momento em que eu mais precisei na minha vida.

Eu procurei um "ombro amigo" entre meus parentes e meus amigos "reais", contei minha história, mas não encontrei em nenhum vontade ou estrutura para suportar essa carga tão dramática, muitos me ouviram, não me julgaram, me apoiaram, mas não foi além de uma tarde, ninguém que eu busquei e compartilhei processeguiu com uma ajuda efetiva. Ninguém gosta de tratar deste tema, principalmente quando tem parentes envolvidos.

Nestas minhas transformações eu também posso citar a minha "conversão" à Cristo, mas ainda não estou preparada para escrever sobre o assunto. Porém é fato, o Espirito Santo mora em mim.

Meu filho cresceu, e eu finalmente percebi que eu estava fazendo uma "repetição de padrão", agredido verbalmente meu filho assim como eu fui agredida na infância por minha mãe. Os webbinar da Rosemeiry Zago abriram meus olhos e me fizeram mudar. Eu "quebrei" o ciclo, pedi perdão do meu filho e nunca mais fui a mesma.

Google Imagens

Voltei para escrever porque hoje acordei de um pesadelo, sutil, mas que me causou sofrimento por me fazer recordar dos anos mais difícies da minha vida.

Eu nunca vou esquecer, são feridas profundas, inatingíveis intelectualmente, somente a minha Fé pode me dá suporte para tanta dor encrustrada nas entranhas de minha alma.

Quero fazer um apelo: não permitam que nenhuma criança seja abusada sexualmente por quem quer que seja, parente ou não, educador ou cuidador, por ninguém. Se estiver ao seu alcance, não permita, pelo amor de Deus.

Ninguém merece tal sofrimento por uma vida inteira.

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

INADEPE e Rosemeire Zago - para resgatar sua criança ferida

Considero que Deus ouviu meu coração, minha aflição, angustia, eu estava pedirda mais uma vez em problemas emocionais, relacionados à minha difícil infância. Eu estava agredido emocionalmente meu filho e meu marido, com reações de raiva desproporcional às situações vividas em alguns momentos do cotidiano. Já era tempo de mudar.

Uma gentil e generosa leitora me enviou um email com do Instituto Nacional do Desenvolvimento Pessoal -  INADEPE, convidando para assistir um hangout (uma espécie de vídeo conferência ao vivo, com possibilidade de fazer perguntas e receber as respostas em tempo real) de tema "Resgate sua criança ferida"  - por Rosemeire Zago, realizado por Karina Flôr - organizadora do SINAEM. As duas, Rosemeire e Karina, são super profissionais, mas muito carinhosas, cada hangout é formado um ambiente familiar e de acolhimento. 

Vejam que, depois de assitir pelo menos dois  hangouts, algo já havia mudado radicalmente em minha vida: eu havia finalmente entendido que eu sofri abuso emocional na infância, além dos abusos sexuais; eu entendi que o meu comportamento como mãe e esposa, nos momentos de fúria, eram na verdade, uma repetição de padrão, eu entendi que há dentro de mim uma criança ferida, humilhada, negligenciada, sozinha e amedrontada; eu aprendi que eu tenho o poder de parar a repetição de padrão, evitando assim, abusar emocionalmente do meu filho e esposo.

Aprendi também que a superproteção é um abuso emocional e provoca sequélas graves na vida de uma criança, quando chega à fase adulta. Eu, então, tratei de usar todas as "ferramentas" ofertadas nestes hangouts para iniciar as mudanças em meu comportamento. Eu consegui escrever dois textos sobre o que aprendi, Irritação ainda havia algo de errado e Irritação - pedido de perdão ao meu filho, os quais eu não me aprofundei, mas "joguei" informações para que saibam que podemos fazer algo para mudar nossa realidade.

 Esta semana, dia 17 de setembro, será o sexto e último hangout da série, tendo como tema "O processo de cura da sua criança ferida". Na semana passada foi sobre "Abuso Sexual e as sequelas na vida adulta". Será imperdível, se não puder assistir ao vivo, os vídeos ficam disponíveis, on line, por alguns dias. 

Todas estas palestras, até hoje, tem um total superior à 10 horas de profunda discussão sobre entendermos nosso problemas emocionais e físicos (somatização do sofrimento), relacionados ao nosso passado de abusos, sejam eles físicos, sexuais ou emocionais.    

Faça sua inscrição aqui para assistir os hangout anteriores e o próximo, da semana que vem. Podemos acolher a nossa criança ferida e mudar inclusive a "realidade dela".

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Abuso emocional - voce entende o que é?

A reportagem do Fantástico do dia 01 de março de 2015 Agressão verbal na infância pode doer mais do que palmada, fala sobre o tema abuso emocional. Nesta mesma reportagem citam uma pesquisa PUC do Rio Grande do Sul, que entrevistaram dez mil adultos de todo o Brasil.

"Lembranças de palavras ofensivas e de negligência emocional reduzem em até 30% a autoestima e o otimismo. Aumentam em 20% a impulsividade. Apenas 10% dos que sofreram com ofensas se consideram emocionalmente saudáveis" resultado desta pesquisa citado no G1-Fantástico.

Ainda está disponível na internet este site que faz esta pesquisa. O cadasto é anônimo e responde a uma série de perguntas sobre experiências de vida e em troca ganha um perfil de personalidade, e o participante e ainda eles oferecem tratamento online, conforme constatado suas necessidades. As características atuais do temperamento dos participantes estão diretamente ligadas aos maus tratos físicos e emocionais na infância. 

Eu me cadastrei, respondi à uma infinidade de perguntas (tipo só de marcar, mas eram tantas que até me fadigou). Ao final eu recebi um imenso relatório sobre o meu perfil comportamental, proporcional aos número de perguntas respondidas. Se voce se cadastra, não tenha preguiça de responder tudo, vá até o final, é inclusive uma auto análise, é emocionante, concentre-se para responder, esteja só.

O link para o questionário é www.temperamento.com.br/content/, tem o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, aceita no botão abaixo e boa sorte.

O próximo webinar será nesta semana. Trata-se daquelas reuniões online (ou voce pode assistir depois o vídeo gravado) que eu citei aqui neste blog, no texto Resgatar criança ferida em mim, onde tem o link para o cadastro do seu email e para que você receba a permissão de assistir e receber material (textos) relacionado com o tema. Tudo é grátis e sigiloso.

A Psicóloga Rosemeire Zago vai conversar sobre o abuso emocional e desponibiliza um texto introdutório sobre o tema: O abuso emocional e as sequelas na vida adulta.

Outro material que achei no Facebook da Psicóloga Rosemeire Zago foi este texto escrito por ela e publicado site somostodosum.ig.com.br, no Portal de bem estar e autoconhecimento, clique aqui para acessar o link.

Ainda quero aqui compartilhar com voces o vídeo do Psicólogo Cezar Coneglian sobre o mesmo tema, mas como o enfoque nas Escrituras: Vivendo o Casamento para a glória de Deus - Estudo 17, o link  é proveniente do site Sopalavra.org.br. Eu coloquei o mais curto de 24 minutos, mas tem uma sequência de vídeos do mesmto tema, sobre correção de filhos, e trata exatamente da criança ferida que guardamos em nós e consequentemente crucificamos nossos filhos.

Google Imagem
Voce tem tanto material para uma autoterapia, não percam esta oportunidade de ajuda. E se conhecerem alguém que precisa destas informações, sejam generosos e divulgem.

Olha imagem, veja, todas as minhas perguntas estão sendo respondidas. Lembra do texto que eu escrevi aqui Por que colcha de retalhos? É o fio do recomeço, de remenda, é a busca pela origem e não por culpados.

Faça voce a sua "colcha de retalhos".

Um forte abraço, com carinho,
Maria Flor do Blog Colcha de Retalhos



segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Irritação - pedido de perdão ao meu filho

Eu assiti mais um webinar da Dra. Rosemeire Zago, "Entenda a influência dos traumas em seus relacionamentos", e aprendi outras tantas lições e aplicações para melhoria da minha vida. Uma destas aplicações foi um pedido de perdão ao meu filho.

No webinar, a doutora conta a história de uma paciente, que se deu conta da sua repetição de padrão ao agredir seu filho, e ao entender que ela estava fazendo o que sua própria mãe fazia, ela finalmente entendeu que ela não estava educando, mas traumatizando o seu filho assim como ela foi traumatizada. A doutora conta que ao conversar como o filho, ela se abriu e contou das agreções que sofria quando criança, conta que os dois se abraçaram, houve perdão e até o filho desta mulher orientou os seus colegas da escola. Isso não é lindo? Divino?

Ai eu pensei: isso não se aplica para mim, pois meu filho é muito pequeno. Ledo engano!!!

Ontem, quando chegamos do restaurante (isto é, estavamos todos relaxados e felizes), meu esposo nos deixou em casa e depois saiu para ajudar um amigo, muito rápido, logo voltaria. Eu e meu filho ficamos sozinhos, e eu espontaneamente o abracei e pedi perdão, olhei em seus pequenos olhinhos inocentes dos seus 5 anos e pedi perdão por todas as vezes que gritei com ele, que o agredi emocinalmente, eu disse também que eu fiz isto porque eu achava que era correto, mas que agora sei que não é. Assim com estas palavras mesmo.

Falei para meu filho da minha infância, que minha mãe, a vozinha dele, me batia com pau e gritava comigo, me xingava, e eu ficava com muita raiva. E quando eu sentia raiva do comportamento dele eu sentia vontade de gritar e até de bater, mas controlava essa vontade e descontrolava nas palavras e no tom de voz, pedi perdão e pedi uma segunda chance.

Meu filho me ouviu atentamente, sem me interromper e quando acabei ele disse: eu sinto vontade de chorar mamãe. Depois disse que me desculpava, que não foi nada (é as palavrinhas que ele aprendeu conosco, quando desculpamos ele). 

Foi simples assim minha gente. Foi mágico. Foi verdadeiro. Foi nossa vítoria.

Como textos, vídeos, consultas à especialistas, como tudo isso pode modificar nossa postura perante a vida que vivemos. 

Por favor, não cessem a vossa busca ao auto-conhecimento, ao resgate da sua criança ferida, aos argumentos para interromper a repetição de padrão, à validação de suas dores.

Todos os textos que tenho escrito nos últimos dias foram praticamente a cópia das palestas que eu tenho ouvido, não tem nada de original meu, exeto as emoções e experiências. Eu era tão vazia quanto você que hoje sofre solitáriamente as recordações de uma infância humilhante e negligenciada.

Foto: www.angelakaufman.deviantart.com
Vou perguntar da doutora se tem como acessar os vídeos dela de uma forma mais simples sem cadastro de email, tá? O que mais quero é que todos vocês possam ouvir o que eu ouvi.

Depois de uma conversa tão dura, mas necessária, nós brincamos, olhamos as nossas plantinhas no nosso jardim, nos divertimos juntos, conectados de uma forma diferente, mais amável e doce.